Enfermeira judia comove ao amamentar bebê palestino que tinha mãe internada

Visualizado 984 vezes
Enfermeira judia comove ao amamentar bebê palestino que tinha mãe internada
Avalie este conteúdo

Uma enfermeira judia se ofereceu para amamentar um bebê palestino, cuja mãe estava internada em estado crítico depois de um acidente de trânsito da família.

A foto do gesto solidário está circulando pelas redes sociais e comovendo o mundo, contrapondo-se ao histórico conflito entre Israel e Palestina no Oriente Médio.

Mãe de três crianças, Ula Ostrowski-Zak segurou nos braços Yaman, de apenas 9 meses. A criança não aceitava leite engarrafado e ficou sem comer durante sete horas. Seu estado de saúde se deteriorava. Quando parentes do bebê apelaram por uma ama de leite, a enfermeira então se dispôs “sem pensar duas vezes”, como ela mesma colocou, a oferecer seu próprio leite.

“As tias do bebê ficaram surpresas por uma judia ter concordado em amamentá-lo, mas eu disse que qualquer mãe faria isso. Elas me abraçaram e me agradeceram”, explicou Ula, que alimentou a criança cinco vezes durante a noite.

Dançarina profissional, Ula passou a se dedicar à enfermagem depois da maternidade.

“Eu o vi se acomodar confortavelmente nos meus braços. Ele fechou os olhos, em paz, e adormeceu. Foi natural”, contou a enfermeira.

Ao deixar o turno, após ficar 24 horas acordada, Ula apelou em um grupo de Facebook por mães de Jerusalém que pudessem amamentar a criança. Dezenas de mulheres responderam à postagem e se voluntariaram a ceder o leite materno ou simplesmente ninar o bebê.

O pai de Yaman acabou morto no acidente, na noite de sexta-feira. A mãe, com uma grave lesão na cabeça, ficou impossibilitada de amamentar o filho, que também foi internado. A família foi levada ao Hospital Hadassah Ein Kerem.

Fonte: Extra

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »