Estudantes unem-se para melhorar a vida de idosos abandonados

Visualizado 649 vezes
Estudantes unem-se para melhorar a vida de idosos abandonados
Avalie este conteúdo

Por
Em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, 50 alunos de uma faculdade gratuita estão colocando em prática tudo aquilo que aprenderam na teoria para melhorar a vida de idosos em situação de abandono, e que vivem em uma casa para velhinhos.

Os alunos fazem cursos de Administração, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Computação e Engenharia de Controle e Automação da Faculdade de Tecnologia Termomecanica-FTT.

Eles aproveitam o que aprenderam nos cursos e já desenvolveram gratuitamente 7 projetos diferentes para os vovôs, entre eles, um sistema de aquecedor solar para diminuir a conta de luz da ONG em até 40 % e a motorização de cadeiras de rodas para melhorar a mobilidade dos idosos.

Software para cadastro de doadores

Os estudantes também implantaram um software para cadastro de doadores e isso poderá ajudar a ONG Casa dos Velhinhos Dona Adelaide a angariar recursos para futuros eventos.

O aluno de Engenharia de Controle e Automação, Adalberto Santos de Barros, de 31 anos, declarou: “Colocar em prática o que a gente estuda aqui, muitas vezes é diferente da teoria. Você tem que desenvolver métodos para minimizar os problemas que podem surgir. A responsabilidade é muito grande”.

Ele é um dos integrantes do grupo de alunos responsáveis pelas primeiras duas cadeiras de rodas que serão motorizadas para a ONG, que se não fosse assim, não teria dinheiro para comprar. As cadeiras motorizadas custam, em média, 7 mil reais cada uma.

“O Kit que a gente está desenvolvendo é para motorizar as cadeiras de rodas que eles já têm lá. É um produto que a gente está desenvolvendo, que será usado. Não é um TCC – programa de conclusão de curso – que vai ficar no papel”, diz.

“O custo [de cada motor] é de R$ 2.500, mas pode baratear mais se for produzido em larga escala. Pode até diminuir pela metade desse valor”, explica Adalberto.

O estudante conta que a primeira vez que foi na instituição o que mais chamou a atenção dele foi a idade das pessoas e o avanço da dificuldade de mobilidade. “Eu vi o esforço deles para usar as cadeiras”.

Foto: Reprodução

Ele salienta: “Você torna essa última etapa da vida deles um pouco melhor no conforto, dá uma palavra de carinho. Eles se sentem importantes”.

A gestora da ONG, Camila Elias de Araújo argumenta que o carinho é recíproco: “Receber alunos pra nós é uma honra. Os idosos gostam muito de conversar e vê-los”.

Como é uma instituição sem fins lucrativos, a gestora da ONG enfatiza que nunca pensou em comprar cadeiras motorizadas, por falta de dinheiro. “Aí chegam os alunos e dizem que a gente pode fazer”, diz Camila.

Tudo Começou há mais de 50 anos atrás. Os alunos que ajudam a ONG estudam na Faculdade de Tecnologia Termomecânica, de São Bernardo do Campo, uma faculdade gratuita mantida pela Fundação Salvador Arena, que leva o nome de um empresário visionário do setor metalúrgico que doou todo o seu patrimônio à Fundação, quando morreu em janeiro de 1998. 

Sem herdeiros e filho único, Salvador Arena, deixou sua empresa, a Termomecânica, para os funcionários, mas com uma exigência: que continuassem as ações sociais que ele iniciou na década de 1960.

Hoje a Fundação Salvador Arena é gerenciada por 13 conselheiros que mantém o Colégio Termomecânica e a Faculdade de Tecnologia Termomecânica, que fazem parte do Centro Educacional da Fundação Salvador Arena.

A Fundação oferece apoio por meio de um programa social – Programa de Alimentação Complementar em Entidades Sociais – para ajudar no custeio da alimentação dos idosos da ONG.

Fonte: Conexão Boas Noticias

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »