Facebook proíbe venda de animais dentro da rede social

Visualizado 1.090 vezes
Facebook proíbe venda de animais dentro da rede social
Avalie este conteúdo

O Facebook resolveu proibir dentro da rede social a venda de animais  para evitar a prática de comércio ilegal e ainda incentivar a adoção.

Com 30 milhões de cachorros e gatos vivendo nas ruas, o que não falta no Brasil é uma boa oportunidade para você adotar um bichinho. É comum encontrar grupos de trocas, vendas e desapegos dentro da plataforma, mas quando estamos falando numa vida, a coisa muda. Em várias ocasiões acontecem ilegalmente a venda de animais silvestres, animais roubados e propaganda enganosa, aquela velha ideia de “comprar gato por lebre”, entre outros absurdos. Ou seja, nada melhor do que evitar esse tipo de “mercadoria”, não é mesmo?

Neste ano, o Facebook está implantando novas regras e termos para comunidades, criando uma lista de produtos que estão proibidos e serão monitorados a partir de agora:

1. Drogas ilegais, prescritas ou recreativas;
2. Itens de tabaco e parafernália relacionada;
3. Suplementos inseguros;
4. Armas, munições ou explosivos;
5. Animais (todos os tipos, incluindo filhotes de cachorros);
6. Itens ou serviços para público adulto;
7. Bebidas alcoólicas (para e por pessoas de qualquer idade);
8. Itens de saúde para adultos (medicamentos);
9. Serviços de jogos de azar valendo dinheiro real;
10 Bens, itens ou publicações que considerarmos que podem ser ou que são fraudulentos, enganosos, ilusórios ou ofensivos; ou
11. Posicionamento demasiadamente sexual.

Em caso de denúncia, o vendedor ou vendedora terá punições cabíveis por violação de leis locais para a Justiça Brasileira, além de correr o risco de perder a conta no Facebook. Denúncias podem ser feitas pelos próprios usuários quando encontrarem anúncios suspeitos ou que vão contra as políticas do site. Saiba como fazê-las neste link.

Não incentive o comércio de  vidas. Não compre, adote! Há uma infinidade de animais precisando de carinho, um lar e uma família que o ame incondicionalmente.

Fonte: RPA por Brunella Nunes

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »