Games viram aliados em tratamento na Unicamp a pacientes que sofreram AVC

whatsapp-image-2017-05-25-at-18.11.56
Visualizado 114 vezes

Programas com jogos de quebra-cabeça e xadrez são controlados a partir de movimentos corporais e estão em testes no Hospital de Clínicas. Especialista destaca, porém, relevância de fisioterapia.

Das mesas de jogos para o ambiente virtual, o quebra-cabeça e o xadrez têm sido associados ao tratamento oferecido pelo Hospital de Clínicas da Unicamp, em Campinas (SP), aos adultos e idosos que sofreram recentemente acidente vascular cerebral (AVC). Os softwares são controlados a partir de movimentos corporais e estão em fase de testes com pacientes da região de 45 a 70 anos.

A fisioterapeuta e pesquisadora que participa dos experimentos, Alline Camargo, avalia que as aplicações são uma ótima forma de recuperação, uma vez que demandam esforço mental, para o entendimento do jogo, e físico, para a captação das funções através de sensores de movimento.

Com isso, destaca a especialista, os games permitem resultados positivos aos pacientes na medida em que auxiliam não somente para a reabilitação neurológica – em virtude da lesão provocada no cérebro -, mas também das habilidades motoras prejudicadas por causa doença.

Alline pondera que os programas não podem ser utilizados como única forma de tratamento, mas aliados durante a fisioterapia convencional para que a recuperação seja mais eficiente.

“É importante lembrar que as aplicações não substituem a fisioterapia. Elas funcionam apenas como aliadas no tratamento dos pacientes”, explica.

‘Jogos’

O pesquisador do Instituto de Física e responsável pela criação dos programas, Alexandre Brandão, conta que chamá-los de “jogos” é apenas coloquial. O correto, lembra, é dizer que são aplicações desenvolvidas para reabilitação, porque não há uso de acertos, erros ou pontuação, como games.

“O paciente pode ficar frustrado se não conseguir realizar ou pontuar, Muitas vezes não vai conseguir, porque o processo de tratamento pode durar semanas, meses.”

Evolução

Além dos aplicativos que ajudam na reabilitação, Brandão desenvolveu um programa capaz de medir a amplitude das articulações de forma digital e que substitui o aparelho fisioterápico chamado goniômetro, instrumento usado para medir ângulos.

“O profissional pode medir a evolução dos pacientes a partir da imagem que o programa captura a medida das articulações, mostrando todos os ângulos”, explica.

Fonte: G1

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »