Mãe com hiperlactação doa cerca de 600 galões de leite materno

0qyxa2hdwn90k8kru5cbeilw3
Visualizado 274 vezes

“Essa é minha forma de ser ativa na comunidade e retribuir ao mundo tudo o que tenho. É um trabalho de amor”, diz a mãe que é doadora de leite materno.

Quando a norte-americana Elisabeth Sierra ficou grávida da primeira filha, ela tinha uma certeza: queria doar leite materno. “Eu não fazia de ideia de quanto meu corpo iria produzir e não sabia como fazer isso, mas tinha certeza que era algo que eu queria fazer”, escreveu no Facebook.

Seguindo seus planos, ela conseguiu doar leite materno quando a primeira filha nasceu, em 2014, mas foi apenas após o nascimento da segunda filha, Sophia, que a doação tornou-se ainda mais frequente na vida de Elisabeth.

Como o trabalho de parto foi muito complicado e durou cerca de 30 horas, a mãe estava muito cansada e não conseguiu amamentar a pequena. Por conta disso, ela precisou recorrer ao banco de leite do hospital nos primeiros dias de vida de Sophia. O fato foi uma das motivações para ela continuar na ideia de doar leite.

Além disso, a norte-americana conta que foi diagnosticada com hiperlactação – síndrome que aumenta em grande quantidade a produção de leite – o que contribuiu consideravelmente para que ela doasse ainda mais.

Doadora em tempo integral

De acordo com o relato de Elisabeth, em dois anos e meio extraindo leite ela calcula ter doado cerca de 600 galões da bebida, algo que equivale a mais de 2,3 mil litros. “Além de amamentar a minha filha, eu extraio aproximadamente  6,5 litros por dia”, explica. Metade do leite doado é encaminhado para bancos de doação, que abastecem todo o país,  e outra metade para mães que vivem na mesma cidade que ela, em Beaverton, em Oregon, nos Estados Unidos.

Ela também conta que ganha US$ 1 a cada 30 ml doados aos bancos de leite. Apesar disso, ao contrário do que costumam imaginar, ela não consegue guardar esse dinheiro. Grande parte do que recebe é investido em geladeiras, bombinhas para retirar e embalagens para armazenar o leite materno. “Essa é a minha forma de ser ativa na comunidade e retribuir ao mundo tudo o que tenho. É um trabalho de amor”, disse.

Fonte: Delas IG

 

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »