O emocionante primeiro voo de Lara, a arara que teve de aprender a viver em liberdade

Visualizado 322 vezes
O emocionante primeiro voo de Lara, a arara que teve de aprender a viver em liberdade
Avalie este conteúdo

Em novembro de 2016, a arara-canindé Lara foi resgatada, ainda bebê, pela polícia de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, quando era vendida por traficantes de animais.

Foram necessários oito meses para que Lara fosse libertada. Nesse período, ela precisou “aprender a ser arara”

“É um processo quase traumático, voltar à liberdade. É como uma pessoa que está presa há muito tempo e precisa descobrir o que fazer sozinha”, disse à BBC Brasil Roched Seba, diretor da ONG Instituto Vida Livre.

Lara faz parte de um grupo de 14 araras-canindé e seis tucanos que foram reabilitados pelo Ibama e pelo Instituto Vida Livre, e libertadas próximo a Aragoiânia, Goiás, no último fim de semana.

“A arara-canindé é um problema muito grande no Brasil inteiro, porque elas como são muito numerosas e comuns de serem vendidas como animais de estimação, acabam em feiras, nas casas das pessoas ou abandonadas.”

Escola de pássaros

Após o resgate, Lara e outros pássaros foram examinados e tratados na unidade de triagem do Ibama em Seropédica, no Rio.

“Ela chegou bem magrinha e desidratada, mas, como era filhote, a reabilitação foi até mais fácil”, disse à BBC Brasil a veterinária Taciana Sherlock, do Ibama, que coordena o projeto.

“O processo pode durar mais de seis meses, a depender do tempo que o animal ficou em cativeiro. Alguns não conseguem mais se reconhecer como araras, de tão domesticados que são. Precisamos isolá-los do contato com humanos.”

No centro, os pássaros são submetidos a exames de sangue, coleta de parasitas, e avaliações da estrutura muscular, da integridade das penas e da capacidade de voo.

Em um viveiro, eles são estimulados a voar de um lado a outro, para fortalecerem as asas e reaprenderem a se movimentar fora das gaiolas.

“Algumas nunca terão condições de voltar para a natureza porque são muito idosas, muito mansas ou têm mutilações nas asas”, diz Seba.

Antes mesmo de receberem o treinamento, os pássaros resgatados já tiveram a sorte de sobreviver.

Cerca de 40 milhões de animais são vítimas do tráfico de fauna todos os anos no Brasil, segundo Sherlock. A maioria deles são aves.

Dados recolhidos pelo Ibama mostram que para cada animal vendido, nove morrem nos processos de captura, transporte e venda.

Voo

Na semana passada, Lara e suas companheiras enfrentaram uma jornada de 15 horas, que incluía seu primeiro voo de avião, para chegar a uma fazenda em Goiás, onde seriam soltas.

Lá, elas permaneceram por cinco dias em outro viveiro, enquanto se adaptavam ao novo ambiente. Mas a viagem não necessariamente significou uma volta ao lar.

“Um problema muito grave que temos com araras e tucanos é que eles são deslocados de suas áreas de ocorrência natural. Não dá para saber exatamente de onde saiu cada um”, explica Seba.

Para facilitar, os pássaros são soltos em Goiás, uma das áreas onde estão biologicamente bem adaptados a viver.

As araras-canindé ocorrem no Centro-Oeste brasileiro, no Cerrado, no Pantanal e em algumas áreas da Amazônia. Mas já foram registradas da Bolívia até o sul do México.

Quando a porta do viveiro foi aberta, Lara foi uma das primeiras a dar uma volta.

O cativeiro ainda ficará disponível para que algumas das araras e tucanos voltem para dormir, enquanto se acostumam com a liberdade.

Fonte: BBC

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »