Pílula eletrônica pode ajudar no emagrecimento, enganando o cérebro com sinais de que o estômago estaria satisfeito

080
Visualizado 1.533 vezes

Uma pílula eletrônica é desenvolvida para enganar o cérebro ao fazê-lo pensar que o estômago está cheio e poderia ajudar a combater a obesidade.

A pílula experimental funciona da mesma maneira que os marca-passos gástricos para suprimir o apetite, mas, diferente do implante, ela não é instalada cirurgicamente no estômago. O marca-passo é ligado ao nervo vago (ou pneumogástrico), que transporta sinais do estômago para o hipotálamo, a área do cérebro responsável pela regulação do apetite. O aparelho tem um sensor que detecta quando o alimento está entrando no estômago, disparando impulsos elétricos de baixo nível no nervo vago para fazer o cérebro pensar que o estômago não tem mais espaço. O revolucionário dispositivo se parece com comprimidos comuns, mas é embalado com tecnologia de ponta.

Os marca-passos gástricos custam em torno de 46 mil reais e são, normalmente, reservados para pacientes que não respondem à dieta, ou que não podem realizar a cirurgia bariátrica. Já a pílula, desenvolvida pela empresa israelense MelCap Systems, pode, simplesmente, ser engolida com água e, embora o preço ainda não tenha sido anunciado, provavelmente será muito mais em conta.

Uma vez ingerida, a pílula é controlada externamente por um aplicativo ‘mobile’. Quando ela atinge o estômago, alguns minutos depois, o aplicativo é usado para desencadear a liberação de uma malha fina. Esta malha impede que a pílula saia do estômago para o intestino. Um poderoso remendo magnético é, em seguida, aplicado à pele, para colocar a pílula na posição onde o nervo vago é ativo, através do abdômen, perto da parte superior do estômago.

Quando ocorrer contrações musculares que informam a inserção de comida no estômago, a pílula começa a transmitir sinais ao longo do nervo, em direção ao cérebro, para amortecer o apetite. A pílula seria desintegrada após três ou quatro semanas, saindo do corpo naturalmente.

O paciente poderá tomar dosagens diferentes, dependendo da quantidade de peso a ser perdido. O dispositivo deverá entrar em ensaios clínicos no próximo ano.

Pesquisadores analisam se ele ainda sofre o mesmo problema de alguns marca-passos gástricos, no qual o nervo vago rapidamente se acostuma com o estímulo extra, ignorando-o.

Fonte: http://www.jornalciencia.com/

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Seja o primeiro a comentar Assunto: "Pílula eletrônica pode ajudar no emagrecimento, enganando o cérebro com sinais de que o estômago estaria satisfeito"

Deixe um comentário

Translate »