Policiais adotam gatos de rua e diminuem estresse da rotina de trabalho

Visualizado 1.313 vezes
Policiais adotam gatos de rua e diminuem estresse da rotina de trabalho
Avalie este conteúdo

Além de fazer companhia, as “policias gatas” também caçam os ratos do terreno da delegacia

A presença de animais, seja em casa ou no ambiente de trabalho, comprovadamente ajuda na descontração da rotina, principalmente em organizações que lidam com assuntos envolvendo Segurança Pública e força policial. Pois é exatamente isso que a equipe da Delegacia de Flagrantes (Defla) em Rio Branco vem descobrindo desde a adoção de duas gatas de rua, que a presença dos animais, além de estimular o companheirismo dos funcionários, ajuda a aliviar o estresse do serviço.

Elizabeth E Margareth

Há dois anos uma gata de pelos brancos surgiu na delegacia, depois foi ficando nos arredores e, aos poucos, conquistou os funcionários. “As pessoas se apegaram ao animal e passaram a cuidar e zelar da alimentação, do banho e até do local onde ela poderia dormir”, explicou Rodrigo Noll, delegado coordenador.

Em seguida, outra gata apareceu na Defla, dessa vez de cor cinza e que também recebeu acolhimento. “Além da alegria que despertam, também acabaram com os ratos que existiam no terreno da delegacia. São exímias caçadoras!”, elogiou o delegado.

Adoção

Atualmente castradas, as duas gatas já tiveram filhotes, devidamente adotados por pessoas que foram à delegacia em busca de atendimento. Segundo Rodrigo: “Algumas pessoas foram à delegacia registrar uma ocorrência e saíram da delegacia com um filhote de gato debaixo dos braços”.

Dois filhotes de Elizabeth, nomeados Pano de Chão e Pretinha, também convivem com os funcionários da Defla. Francisco Progênio, agente de polícia lotado na Defla, disse que, por ser bem dócil, Elizabeth acessa praticamente todas as salas da unidade policial

“A presença dela acabou se tornando importante por quebrar o clima formal e, até certo ponto, rígido que é próprio das unidades de Segurança Pública. A Defla é como nossa segunda casa, passamos muito tempo no local de trabalho”, detalhou Francisco.

Redes sociais

A convivência das gatas e dos agentes policiais também se tornou assunto nas redes sociais, principalmente no Facebook, onde várias fotos com os animais circulam as páginas pessoais dos servidores. “Nos momentos de folga, eu e outros colegas de trabalho registramos as ações dela, e ficamos surpresos com o sucesso dela. São muitos comentários e curtidas nas redes sociais”, disse o agente Francisco Progênio.

Além disso, quando necessário, a equipe também zela pela saúde dos animais. Recentemente Elizabeth precisou passar por uma cirurgia de remoção de pedras no rim, e o valor do procedimento será pago através de coleta realizada dentro da Defla. O delegado Rodrigo afirma: “Essas gatas são consideradas parte da equipe e ajudam a melhorar o ambiente, que costuma ser estressante para os policiais e para a população, que busca em seus momentos mais difíceis a Polícia Civil”.

Fonte: ContilNet

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »