Aposentada de 105 anos faz prova de vida em banco e ganha festa de funcionários e de asilo

Aposentada de 105 anos faz prova de vida em banco e ganha festa de funcionários e de asilo
Avalie este conteúdo

Funcionários da agência de Guaraci (SP), moradores da cidade e voluntários do asilo se mobilizaram para oferecer um dia especial para a dona Francelina Maria de Jesus, que nasceu no dia 29 de junho de 1913.

Os 105 anos de uma das moradoras mais antigas de Guaraci (SP) foram celebrados depois do atendimento em uma agência bancária. A dona Francelina Maria de Jesus ganhou a festa na sexta-feira (29) com ajuda dos funcionários do banco, amigos da idosa e também dos voluntários do abrigo onde ela mora. Eles não deixaram a data passar em branco e promoveram uma festa inesquecível.

“Hoje foi o dia dela fazer a prova de vida do INSS e, na hora do atendimento, ela apresentou a documentação e percebemos que era aniversário dela. Foi uma alegria ver uma senhora com essa idade, fortaleza, alegria e saúde. O atendimento foi ótimo”, conta o gerente administrativo do banco, Rodrigo Macedônio.

Com a alegria da dona Nenê, como a idosa gosta de ser chamada, o abrigo onde ela mora se mobilizou para oferecer um dia especial, com direito a docinhos, balões e até cantoria. Moradores da cidade e os funcionários a agência ajudaram na organização.

Para a dona Nenê, a festa foi em dose dupla porque além de comemorar o aniversário de 105 anos, ela disse que nunca teve uma festa tão grande. Ela, que nasceu no dia 29 de junho de 1913, tem catarata e não enxerga bem, mas pôde sentir o carinho que recebeu.

“Eu sou muito feliz, graças a Deus. Está tudo muito bom”, afirmou.

Conviver com a idosa é um prazer e merece a comemoração, segundo o presidente do asilo da cidade, Antônio Carlos Paiva Tadeu. “Ela é animada, positiva e tem saúde fora de série. Pessoa maravilhosa, educada, colaboradora e gosta muito da vida.”

Mas segundo os companheiros do asilo, além da felicidade, a dona Nenê também tem um segredinho para hoje apagar as três velas do bolo.

“Ela levanta às 4h, vai no pé da árvore, ajoelha e reza. Mas também não toma nada gelado e não pega ventilados. É tudo natural e foi por isso que ela chegou até aqui. Com certeza vai chegar muito mais”, finaliza o aposentado Hélio da Graça.

Fonte: G1

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »