• 12 de agosto de 2022 17:50

Aviões que não poluem podem se tornar realidade; entenda projetos

jan 27, 2021
Compartilhe Boas Notícias

Projetos de aviões não poluentes estão sendo desenvolvidos por diversas empresas de aviação. O objetivo delas é cumprir a meta da indústria de reduzir pela metade as emissões de gás carbônico do transporte aéreo até 2050. Contudo, até lá, o caminho de pesquisas e de avanços tecnológicos ainda é um pouco longo.

Empresas como Airbus Boeing têm investido cada vez mais em maneiras economicamente viáveis de desenvolver projetos de aviões que poluam menos, mas que não deixem de cumprir o papel de transporte de pessoas e de carga em larga escala.

Conheça alguns destes projetos e entenda o caminho que ainda é preciso trilhar para que eles saiam do papel em um futuro não tão distante:

Airbus

Durante três meses de testes em local desconhecido, a holandesa Airbus colocou à prova a aeronave Maveric, cujo protótipo mede três metros de largura e é controlado remotamente. Apesar de a empresa garantir que o design ainda está em fase de exploração, ela também diz que ele “tem grande potencial”.

Os planos são de que, um dia, a Maveric seja redimensionada para comportar o número tradicional de passageiros de voos comerciais.

Exemplo de aeronave com asa combinada — em que a fuselagem fornece sustentação ao veículo aéreo e não é um “peso morto”, como em aeronaves tradicionais —, a Maveric não necessita de asas grandes para se manter no ar. Assim, ela pode ser mais leve e menor do que outros modelos usuais.

“Há um grande desafio aqui. E há uma grande expectativa da sociedade para a qual acreditamos ser nosso dever encontrar respostas”, explica Sandra Bour-Schaeffer, presidente executiva Airbus UpNext.

“Acreditamos que temos que entrar em uma tecnologia realmente… revolucionária”, completa ela.

Além do projeto Maveric, a Airbus se comprometeu a construir a primeira aeronave de emissão zero do mundo até 2035. Para isso, a empresa tem investido na criação de sistemas híbridos, com motores de turbinas a gás com queima de hidrogênio para gerar energia elétrica.

Até setembro de 2020, a companhia já havia apresentado três projetos conceituais movidos a hidrogênio.

Delft University of Technology

Em fase de desenvolvimento pela Delft University of Technology, na Holanda, o projeto Flying-V traz um novo conceito de aeronave comercial, que, segundo a instituição, é 20% mais eficiente do que um avião moderno de última geração.

Da mesma maneira que o Maveric, este protótipo não adere a uma fuselagem convencional, mas, diferente do exemplo citado mais acima, a aeronave foi desenhada em formato de flecha, como se fosse um “V”. O transporte de pessoas e de carga seria feito dentro das próprias asas do veículo.

O projeto foi feito com base na tese de um aluno de pós-graduação e está sendo desenvolvido com o apoio das companhias aéreas holandesas KLM e Airbus. Em julho de 2020, um protótipo levantou voo pela primeira vez, saindo de uma base aérea alemã.

Com uma envergadura de cerca de 2,74 metros, a aeronave de teste realizou um voo de sucesso, embora tenha sofrido “uma aterrissagem um tanto áspera” por conta de algumas inconsistências de nivelamento.

1a721d15-flying-v-foto-divulgacao-tu-delft-9502954

Boeing

Outra proposta de aeronave menos poluente tem sido desenvolvida há anos pela empresa estadunidense Boeing. De acordo com a companhia, o novo design precisaria de 9% menos combustível do que um design convencional.

Batizado como Transonic Truss-Braced Wing, o projeto da Boeing apresenta asas mais longas e finas, as quais seriam apoiadas por um suporte inclinado por baixo da fuselagem. Essas asas, por sua vez, seriam dobradas para facilitar o acesso aos portões dos aeroportos.

f3723ac8-transonic-truss-braced-wing-boeing-foto-divulgacao-6114440

Existe prazo para que esses protótipos saiam do papel?

Apesar de todos os avanços em pesquisa e tecnologia, ainda há dificuldades sérias no caminho para a diminuição da poluição por parte do transporte aéreo. Como produzir hidrogênio em larga escala sem precisar de metano é, por exemplo, um dos maiores desafios.

Contudo, é um obstáculo que deve ganhar cada vez mais atenção durante os próximos anos, de acordo com Glenn Llewellyn, vice-presidente da Airbus.

“Na próxima década, para que a sociedade em geral cumpra o Acordo de Paris, para cumprir nossas metas climáticas, precisamos mudar para o hidrogênio renovável”, diz ele.

Com informações da “Folha“.

Fonte: https://www.hypeness.com.br/2021/01/avioes-que-nao-poluem-podem-se-tornar-realidade-entenda-projetos/

 95 Total Visualizações,  2 Visualizações Hoje