Chuva de meteoros terá auge na noite de hoje e será visível em todo sul do país

Chuva de meteoros terá auge na noite de hoje e será visível em todo sul do país
Avalie este conteúdo

Todo ano, em meados de dezembro, chega a época da chuva de meteoros Geminídeas. Essa é uma das poucas chuvas intensas que são favoráveis de se observar no hemisfério sul, então é uma chance para não se desperdiçar, se o tempo colaborar.

As chuvas de meteoros estão sempre associadas a um cometa. Em seu caminho pelo Sistema Solar, essas imensas bolas de gelo sujo, vão deixando uma trilha de pedaços, que na sua imensa maioria não são maiores que minúsculas partículas de poeira. Todo o ano, quando a Terra cruza a trilha deixada pelo cometa, captura as partículas pela gravidade que entram na atmosfera em alta velocidade. A fricção da partícula com o ar faz com que ela se aqueça e comece a brilhar. Na verdade, tudo é tão rápido que parece mais um flash, pois logo a partícula se esquenta tanto que evapora.

Claro, há pedaços um pouco maiores que produzem clarões intensos que chegam a ser registrados por câmeras de segurança nas cidades, sendo chamados de ‘bolas de fogo’ ou simplesmente bólidos. De vez em quando um desses bólidos sobrevive à ação da atmosfera e chega até a superfície, e aí são chamados de meteoritos.

A Terra cruza periodicamente a órbita de vários cometas, o que dá origem a diversos chuveiros de meteoros, sempre mais ou menos na mesma época do ano. Mas sempre dá para ver um ou outro passando de forma esporádica em uma noite escura.

A trilha de partículas deixadas pelos cometas não são exatamente uma faixa bem definida e pode ser comparada a uma nuvem de destroços de forma indefinida. Conforme a Terra vai se aproximando da nuvem, a quantidade de poeira interceptada vai aumentando gradualmente até atingir um máximo de atividade, para depois declinar e voltar a praticamente zero. Nesse período dizemos que determinada chuva está ativa, mas nada impede que várias outras também estejam acontecendo ao mesmo tempo.

Diferente dos esporádicos, os meteoros de uma chuva específica parecem todos surgir de uma região mais restrita do céu, chamada de radiante. É como se os meteoros todos irradiassem daquele ponto e as chuvas são batizadas justamente pela constelação que se localiza o radiante. Nesse caso, o radiante está localizado em Gêmeos, por isso o nome de Geminídeos, mas temos as Lirídeas (em Lira) ou Perseidas (em Perseu) só para citar duas bem populares também.

As Geminídeas passaram um tempão sem ter um cometa associado. Quando se procurava algum cometa com uma órbita parecida compatível com a ocorrência da chuva de Geminídeos, nada era encontrado. Mas por outro lado, um asteroide sempre estava por perto.

Origem rara

As Geminídeas talvez seja o único caso conhecido de ter como origem um asteroide e não um cometa. O asteroide chama-se 3200 Phaethon e tem algumas particularidades interessantes. Ele foi o primeiro asteroide descoberto por um telescópio espacial, o satélite IRAS em 1983, sete anos antes do Hubble ser lançado.

O 3200 Phaethon tem uma característica peculiar, ele é o asteroide conhecido que mais se aproxima do Sol, chegando a uma distância de 21 milhões de km, ou apenas um terço da distância de Mercúrio ao Sol. Quando ele chega a esta distância, estima-se que a temperatura em sua superfície atinja algo como 750º centígrados.

Mas o mais interessante deste asteroide é justamente o fato de estar associado a uma chuva de meteoros, algo totalmente inesperado para essa classe de objetos. O que se imagina, nesse caso, é que o 3200 Phaethon perdeu todo o seu material volátil, ou seja, perdeu todo o seu gelo, restando um núcleo rochoso e seco, portanto é um cometa extinto.

Dicas de observação

Mas como o que importa para nós é a chuva em si, aqui vão algumas dicas:

A chuva ocorre, como o nome indica, partindo da constelação de Gêmeos. O radiante fica alto lá pelas 23 horas (horário de Brasília) para localidades no Sudeste. Mais ao norte, mais cedo e mais ao sul, mais tarde. Mas isso não significa que você precisa esperar até esse horário. Antes do radiante aparecer é possível avistar meteoros cruzando o céu, mas certamente depois das 23 horas a quantidade deles deve aumentar.

Posicione-se para a direção nordeste, de preferência em uma daquelas cadeiras de praia para evitar um torcicolo. Deitar no chão também é outro jeito confortável de observar. Não é preciso nenhum equipamento em especial, aliás, quanto maior a área de visada no céu, melhor. Procure um local escuro e, sobretudo, seguro.

Nesse horário a Lua estará se pondo deixando o céu escuro, favorecendo a observação. A taxa de meteoros prevista este ano é de 100-120 meteoros por hora, mas atenção! Essa é uma previsão teórica e que leva em conta meteoros que são tão fracos que só podem ser vistos em ambientes extremamente favoráveis. Mas pelo mapa você pode ver que outras chuvas estarão ativas na mesma direção das Geminídeas, o que aumenta as possibilidades de ver algum meteoro.

Tipicamente os meteoros dessa chuva são brilhantes e lentos facilitando sua observação. O pico dessa chuva deve ocorrer na virada de 13 para 14 de dezembro, mas ela já está ativa desde o dia 04. Depois do dia 14, o número de meteoros cai drasticamente, outra característica dos Geminídeos, mas vale a pena tentar de sexta para sábado também.

Boa sorte!

Fonte: G1

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »