Cientistas anunciam avanço rumo ao plástico infinitamente reciclável

Cientistas anunciam avanço rumo ao plástico infinitamente reciclável
Avalie este conteúdo

Só cerca de 5% do plástico no mundo é reciclado e produção anual passa de 500 milhões de toneladas.

Cientistas americanos disseram na última semana que fizeram avanços em direção a um tipo de plástico que pode ser reciclado indefinidamente e que este parece ser durável o suficiente para competir com os plásticos comuns.

Diferentemente dos plásticos feitos a partir de derivados de petróleo, o novo tipo pode ser transformado de volta ao seu estado original de pequenas moléculas e transformado em novos plásticos repetidas vezes, disse o relatório na revista Science.

“Os polímeros podem ser quimicamente reciclados e reutilizados, em princípio, infinitamente”, disse o autor principal, Eugene Chen, professor do Departamento de Química da Colorado State University.

Chen advertiu que a pesquisa foi feita apenas em laboratório e que é necessário mais trabalho para desenvolvê-la. No entanto, a equipe ampliou um avanço que anunciou em 2015, que resultou em um plástico totalmente reciclável que era mais macio do que o
ideal.

Fazer a versão antiga exigia condições extremamente frias e o produto final tinha baixa resistência ao calor.

O novo produto corrige todos esses problemas, disseram os pesquisadores. Um comentário que acompanhou o artigo na Science disse que o trabalho é “um passo importante” na abordagem do problema do plástico no planeta.

Sob o novo processo, “os resíduos de plástico são despolimerizados de volta ao material inicial e depois repolimerizados para produzir plásticos do tipo virgem”, disse o comentário.

Esse tipo de avanço “pode levar a um mundo em que os plásticos no final de sua vida não são considerados resíduos, mas matéria-prima para gerar produtos de alto valor”.

Atualmente, apenas cerca de 5% do plástico no mundo é reciclado. A produção global de plástico deverá ultrapassar 500 milhões de toneladas até 2050. Especialistas preveem que em meados do século haverá mais plástico do que peixes nos oceanos.

Fonte: UOL

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »