Com três ouros, natação do Brasil tem brilho de veterano estreante, hexa do 4x100m e tri de Leo

Avalie este conteúdo

Modalidade obtém seis pódios no primeiro e corre atrás de recorde em uma edição de Pan

A campanha da natação brasileira, tradicional carro-chefe do país em Jogos Pan-Americanos, era cercada de expectativa. E nesta terça-feira, logo no primeiro dia da modalidade no Pan de Lima, a delegação nacional não desapontou. Foram seis medalhas, das quais três de ouro, duas de prata e uma de bronze no centro aquático na capital peruana. A equipe busca faturar mais de 26 pódios e bater um recorde particular no torneio.

O primeiro destaque da noite foi João Gomes Júnior, estreante em Jogos Pan-Americanos aos 33 anos. O capixaba levou o ouro nos 100m peito com a marca de 59s51, à frente dos norte-americanos Cody Miller (59s57) e Kevin Cordes (1min00s27). Outro brasileiro na prova, Felipe Lima terminou em quarto com o tempo de 1min00s36.

Gomes e Lima foram, respectivamente, medalhistas de bronze e prata nos 50m peito no Campeonato Mundial de Gwangju, na Coreia do Sul, mês passado. Ambos veteranos, eles vivem o melhor momento de suas carreiras.

Agora campeão pan-americano, Gomes havia perdido o Pan de Toronto, em 2015, devido a um caso positivo de doping. Ele se disse redimido com o pódio em Lima e se emocionou ao receber a medalha dourada:

– Vinha me assombrando esse fato de estar quase aposentando e não pegar um Pan. Mas, graças a Deus, veio tudo dando certo. De manhã eu nadei bem consciente, e na final você só pensa em bater na frente. Acabei saindo mal, a mão escapou na saída, e aí eu perco uns décimos bem importantes em relação aos adversário. Mas deu tudo certo, ela [medalha] é nossa – disse.

O segundo destaque da noite foi o revezamento 4x100m livre masculino. Breno Correia, Marcelo Chierighini, Bruno Fratus e Pedro Spajari levaram a medalha de ouro com a marca de 3min12s61, novo recorde da competição. Os Estados Unidos foram prata com 3min14s94 e o México bronze, com 3min17s70.

Foi a sexta vez consecutiva que o revezamento brasileiro triunfou em Pans. O país está invicto no torneio continental desde a edição de Winnipeg, em 1999. Fratus esteve presente nos últimos três títulos, em 2011, 2015 e 2019.

A primeira medalha feminina da natação do país no Pan também veio no revezamento 4x100m livre. Etiene Medeiros, Larissa Oliveira, Manuella Lyrio e Daynara de Paula ficaram com a prata ao registrarem o tempo de 3min40s39, atrás dos EUA (3min39s59) e à frente do Canadá (3min41s01).

Quem também fez história foi Leonardo de Deus. Com a marca de 1min55s86, ele venceu os 200m borboleta e se tornou tricampeão da prova consecutivamente – também a venceu em Toronto 2015 e Guadalajara 2011. O norte-americano Samuel Pomajevich levou a prata (1min57s35) e o colombiano Jonathan Gomez, o bronze (1min57s75).

– Eu estou muito feliz. O sentimento de ser tricampeão pan-americano é para poucos. Eu não estou acreditando – afirmou o nadador.

De início, Leo não estava convocado para disputar o Pan. Ele chegou a entrar no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da natação para reclamar a vaga, teve o pedido negado, insistiu novamente e aí conseguiu a vaga somente após um dos convocados, o velocista Gabriel Santos, ser cortado após flagrante em exame antidoping.

Outro grande resultado da noite ocorreu nos 400m livre masculino. Fernando Scheffer (3min49s60) e Luiz Altamir Melo (3min49s91) ficaram com prata e bronze, respectivamente, atrás do norte-americano Andrew Abruzzo (3min48s41). O gaúcho Scheffer, nadador do Minas Tênis Clube e estreante em Pan, chegou a liderar boa parte da prova, mas foi superado nos últimos 100m pelo adversário.

Os dois brasileiros fazem parte do revezamento 4x200m livre, que já está classificado para os Jogos Olímpicos de Tóquio e cairá na piscina na próxima sexta-feira.

Fonte: Globo Esporte

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »