‘A Culpa é das Estrelas’: produção excelente e encantadora

‘A Culpa é das Estrelas’: produção excelente e encantadora
Avalie este conteúdo

SRZD já conferiu este filme aguardadíssimo e saiu encantado da sessão.

Adaptação cinematográfica da obra homônima de John Green, “A Culpa é das Estrelas” (The Fault in Our Stars – 2014) chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, dia 05.

Com direção de Josh Boone, o longa acerta em cheio ao focar todas as suas atenções no casal protagonista e em sua relação de amor e amizade, bem como suas dúvidas e medos oriundos do câncer, doença diagnosticada em ambos. Porém, quando imaginamos tal temática sendo abordada na tela grande, imediatamente acreditamos em se tratar de um melodrama pesado de assistir. O que é um total engano.

“A Culpa é das Estrelas” é um drama forte, sim; mas neste caso, drama e romance caminham lado a lado para conquistar a plateia, o que acontece em poucos minutos de exibição. Isso porque o longa não trata Hazel Grace (Shailene Woodley) e Augustus “Gus” Waters (Ansel Elgort) como “coitadinhos” ou incapazes de viver uma vida normal, mesmo com uma doença grave e em estágio avançado. As dificuldades de cada um deles são apresentadas com muita sensibilidade e delicadeza, concedendo leveza à trama.

O roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber também contribui para tornar a produção mais leve, pois é elaborado e apresentado com tanta naturalidade e simplicidade, sem nenhum tipo de pieguice, que emociona o espectador, encantando-o a cada cena, especialmente através de diálogos recheados de humor e sarcasmo dos protagonistas.

E, por falar no casal principal, muitos elogios tornam-se poucos diante das atuações de Shailene Woodley e Ansel Elgort. Os atores estão incríveis em cena e batem um bolão juntos, esbanjando química de sobra, especialmente com olhares de cumplicidade que demonstram o quanto estão à vontade um com o outro, concedendo mais veracidade à história – lembrando que este é o segundo filme em que atuam juntos, o primeiro foi “Divergente” (Divergent – 2014). Não é exagero algum afirmar que os dois têm futuro promissor em Hollywood.

Foto: Divulgação

Elgort se destaca por compor um personagem que esconde as inseguranças da adolescência e da doença ao tentar ser uma “fortaleza” para Hazel, e também pela alegria de viver cada momento ao lado dela, ajudando-a a realizar um de seus sonhos; enquanto que Woodley se destaca por sua doçura, gestual e pela força com que encara a realidade. Ainda é cedo para pensar na temporada de premiações, mas não vou me surpreender se o nome da atriz surgir dentre os indicados, inclusive do Oscar.

O longa conta a história de Hazel Grace, jovem que luta contra o câncer desde a infância e que foi submetida a um tratamento experimental. Obrigada pelos pais a participar de um grupo de apoio da Igreja local, Hazel fica reticente num primeiro momento, mas ganha uma oportunidade de viver seu grande amor ao esbarrar com Gus, um dos participantes do grupo. Apaixonados, enfrentam cada obstáculo da doença e realizam o grande sonho de Hazel de conhecer o autor de seu livro preferido numa viagem à Holanda, até serem confrontados com a realidade.

“A Culpa é das Estrelas” é um filme lindo, encantador, emocionante e um dos melhores que tive a oportunidade de assistir este ano.

Veja o trailer do filme:

 

Fonte: http://www.sidneyrezende.com/

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Seja o primeiro a comentar Assunto: "‘A Culpa é das Estrelas’: produção excelente e encantadora"

Deixe um comentário

Translate »