Memórias felizes podem ajudar no tratamento contra a demência

Memórias felizes podem ajudar no tratamento contra a demência
Avalie este conteúdo

Abordagens não-ortodoxas para o tratamento de demência estão sendo usadas em residências terapêuticas da Holanda de forma pioneira. Tratam-se de viagens virtuais, danças, músicas e recriação de ambientes, por exemplo, para ajudar os pacientes diagnosticados com a doença.

Residentes em alguns desses centros de atendimento têm seus próprios quartos. Geralmente há também uma sala de estar comum e uma cozinha, onde os moradores ajudam com tarefas simples, como descascar batatas e lavar a salada.

Quanto mais estresse for reduzido, melhor. Se você pode diminuir o estresse e o desconforto, isso tem um efeito fisiológico direto”, explicou Erik Scherder, neuropsicólogo da Universidade Livre de Amsterdã, em entrevista ao The New York Times. “A ideia é desafiar o paciente de maneira positiva. Deixá-los na cadeira, passivos, faz a doença progredir muito mais rápido.”

Em Sensire Den Ooiman, residência em Doetinchem, há um passeio de ônibus virtual. O trajeto é feito por estradas rurais planas e arborizadas no interior holândes. A simulação acontece várias vezes ao dia em três telas de vídeo.

De acordo com especialistas, a técnica cria um ponto de encontro para os pacientes. A experiência compartilhada permite que eles falem sobre viagens passadas, trazendo à tona memórias antigas, e façam um “mini feriado” de suas rotinas diárias.

A demência manifesta-se num declínio acentuado das funções cerebrais. A condição rouba memórias e personalidades. Segundo o jornal The New York Times, até 270 mil holandeses – cerca de 8,4% dos 3,2 milhões de moradores com mais de 64 anos – sofrem de demência, e autoridades e médicos esperam que esse número dobre nos próximos 25 anos.

Nos últimos anos, o governo holandês preferiu oferecer e pagar pelo atendimento domiciliar aos pacientes. As instalações de gestão privada com financiamento público são geralmente reservadas para pessoas em estado avançado da doença.

Fonte: Galileu

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »