Plástico: quimera enzimática pode ser a resposta para a reciclagem

Compartilhe Boas Notícias

Em 2018, cientistas dos dois lados do Atlântico reprojetaram uma enzima para que ela se alimentasse mais rapidamente de plástico. Agora, a mesma equipe combinou a PETase com a MHETase para acelerar ainda mais o processo de decomposição do termoplástico tereftalato de polietileno, o popular PET que hoje está presente no planeta inteiro, das prateleiras dos supermercado ao estômago de aves marinhas.

A PETase decompõe molecularmente o PET, tornando possível reciclá-lo indefinidamente. A pesquisa, publicada no Proceedings of National Academy of Sciences, usou a mesma bactéria que há 2 anos.

Pela Inglaterra, trabalharam pesquisadores em engenharia de enzimas liderados pelo biólogo estrutural John McGeehan, diretor do Centro de Inovação de Enzimas (CEI) da Universidade de Portsmouth. A eles se juntaram o engenheiro químico Gregg Beckham e sua equipe interdisciplinar de biólogos, químicos e engenheiros do norte-americano Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL).

Quimera mais eficiente

Se há 2 anos a PETase foi reprojetada para devorar plástico 20% mais rapidamente, a combinação dela com a MHETase aumentou a eficiência do processo em três vezes. “Nossos primeiros experimentos mostraram que elas realmente funcionavam melhor em conjunto, então decidimos tentar ligá-las fisicamente. Nossa nova enzima quimérica é até três vezes mais rápida do que as enzimas separadas, abrindo caminhos para mais melhorias”, disse McGeehan.

McGeehan descreveu o par de enzimas como
McGeehan descreveu o par de enzimas como “dois Pac-Man ligados por um barbante”. Fonte: University of Portsmouth/Rose Graham/Divulgação 

A pesquisa surge como uma alternativa de baixo custo para a reciclagem do PET, um problema ambiental que precisa urgentemente de uma solução. Segundo o relatório de 2018 do World Wide Fund for Nature, entidade internacional que atua nas áreas da conservação, investigação e recuperação ambiental, todos os anos chegam aos oceanos 10 milhões de toneladas métricas de plástico.

1 século em 1 década

Se nada for feito, em 1 década haverá o equivalente a 26 mil garrafas de plástico no mar por quilômetro quadrado; em 20 anos, serão 29 milhões de toneladas métricas boiando nos oceanos — por ano, os plásticos já matam 1,5 milhão de animais. A humanidade produziu mais matéria plástica nos últimos 10 anos do que em todo o século XX. 

Em sua forma natural, a PETase não é rápida o suficiente para tornar comercialmente viável o processo de reciclar as toneladas de garrafas PET descartadas todos os dias. A descoberta do coquetel PETase + MHETase pode ser mais um passo na direção de uma solução para o problema global da poluição por plástico. Se você achou bobagem a proibição do uso de canudos plásticos, assista ao vídeo a seguir.

Fonte: https://www.tecmundo.com.br/ciencia/204649-plastico-quimera-enzimatica-resposta-reciclagem.htm

Se curte nosso conteúdo, considere nos ajudar a manter o nosso trabalho diário no ar e continuar levando boas notícias a todos, através do https://mla.bs/d8cdcb20 😊

#jornaldeboasnoticias #boasnoticias #noticiaboa #goodnews #boasacoes #esperança #bonsexemplos #fazerobem #boanoticia #noticiapositiva

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »