• 4 de dezembro de 2021 23:02

Quando a Natureza vence a Civilização – Locais abandonados

jan 28, 2016 ,

A nossa civilização parece ser sólida e intocável, no entanto, o seu controle sobre a natureza é ténue. Se uma racha se abre num edifício a natureza depressa a conquista.

Como será que os nossos edifícios irão ficar quando o Homem desaparecer? Muitos livros e programas de televisão defendem que a natureza conquistará estes locais muito rapidamente. Muitas cidades seriam colonizadas passado um ano ou dois, e muitos dos edifícios começariam a deteriorar-se pouco depois de deixarem de ter manutenção.

Até as grandes infraestruturas construídas para os Jogos Olímpicos são abandonadas quando o planeamento não é feito da melhor forma. Este fenómeno também acontece muito em Portugal, exemplo disso é o edifício Restaurante Panorâmico de Monsanto que está completamente ao abandono.

Aqui fica uma lista de locais, edifícios e objetos que a natureza reclamou de volta:

A árvore que conquistou uma bicicleta abandonada, Ilha Vashon, Washington:

árvore-bicicleta-árvore

Árvores a vencer contra o cimento, Hong Kong:

árvores-edifício-abandonados-hong-kong

Triunfo dos peixes num Centro Comercial, Bangkok:

Cidade de pescadores é engolida pelo mar, Rússia:

Deserto conquista cidade mineira, Namíbia:

Estação de comboios conquistada pelas plantas, Georgia:

estação-de-comboios-abandonada

Linha de comboio abandonada, Paris:

Árvores tomam conta de antigo moínho, Itália:

moinho-abandonado-itália

A árvore que queria tocar piano, California:

Navio abandonado é conquistado por floresta, Austrália:

navio-abandonado-austrália

Quarto de hotel invadido pela natureza:

Raízes vencem passeio de pedra:

raízes-árvore-passeio

Roda gigante abandonada é conquistada por trepadeira:

Sucata engolida pela floresta, Bélgica:

Árvores conquistam templo, Cambodja:

templo-árvores-cambodja

Mas nem só as plantas tomam conta de locais abandonados, também os animais selvagens os escolhem como abrigo.

Fonte: Bored Panda

Deixe um comentário