“Quero dar voz a quem nunca teve”: conheça o grafiteiro que exalta o povo nordestino nas ruas da periferia do Rio

“Quero dar voz a quem nunca teve”: conheça o grafiteiro que exalta o povo nordestino nas ruas da periferia do Rio
Avalie este conteúdo

Wallace Pato, de 24 anos, colore as ruas de Ramos, Bonsucesso, Penha, entre outros bairros periféricos, para que os mais humildes se sintam representados e tenham acesso a arte.

Com a mão esquerda segura um smartphone com uma foto em sua tela. Com a direita faz os primeiros traços, rabiscos livres mas precisos, que em questão de minutos tornam-se silhuetas. Diante de uma parede do morro do Iapec, em Ramos, bairro periférico da zona norte do Rio de Janeiro, Wallace Marques reina absoluto. Com apenas três latas de tintas com as cores primárias —vermelho, azul e amarelo— e um pincel grosso de parede, Wallace Pato, como é conhecido por todos, consegue todas as misturas que deseja para dar vida a um grupo de pessoas sentadas numa carroça. Aos 24 anos, encontrou o sentido para seu trabalho como grafiteiro. Espalha por muros e paredes do Rio, sobretudo nas comunidades e periferias, pinturas do povo nordestino, uma forma de exaltar aqueles trabalhadores que emigraram em massa para o sudeste buscando melhorar suas vidas. “Minha intenção na pintura é ser porta-voz de quem nunca foi ouvido, é dar voz a quem nunca teve ou que é ofuscado”, explica.
São familiares, vizinhos, amigos, trabalhadores e trabalhadoras com os quais Pato sempre conviveu desde sua infância. Presenciou as dificuldades pelas quais passam, mas também a força e a fé que os fazem seguir adiante. “Comecei a perceber que aqueles que vinham para cá tinham todo esse trabalho, suor e sangue derramado para levantar a cidade, mas são totalmente menosprezados, invisíveis, sem qualquer valor. Cada um com uma história linda. São grandes heróis e heroínas”, argumenta ele. “Eu sinto a necessidade de falar disso, de que o mundo veja isso, a força dessas pessoas. E minha forma de expressar é a pintura, o grafite”.

É o caso de seu Bras, vizinho de Pato que faleceu há pouco tempo de câncer, com mais de 80 anos. “Era um nordestino arretado mesmo, um mestre. Eu cresci vendo esse cara tocando todo tipo de instrumento, era só colocar na mão dele. Ele era seresteiro, um gênio, e também cortava meu cabelo”, conta o pintor. Ao falecer, pediu para a filha do homem uma fotografia e, em seguida, pediu para Gilmar, outro vizinho, que cedesse uma parede de sua casa. Misturando a tinta vermelha com a amarela, chegou no laranja, para logo colocar o azul e chegar no marrom. Com uma mistura de tons fez a pele de um seu Bras mais novo, com cerca de 50 anos e um acordeon pendurado em seu ombro. Sobre seu estilo de pintura, explica: “Eu tento fazer expressionismo, estou buscando isso. É um realismo-expressionismo, uns traços bem marcados. Não busco deixar a pintura limpinha, tento sujá-la mais”.

Quando não pinta rostos conhecidos a partir de fotografias cedidas, Pato busca no Google as imagens que deseja. “Em cima da temática do povo nordestino, eu pinto o que estou sentindo, o que minha cabeça está falando”, explica. O trabalho, a música, os deslocamentos, e os temas sociais são recorrentes —um de seus grafites retrata uma mulher emocionada, com a mão no rosto, segurando um cartão do Bolsa Família. “Eu fico bolado, porque uma penca de playboy diz que isso tem que acabar, que é coisa de vagabundo. Meu irmão, se ele nunca passou fome ou sede e sempre teve tudo do bom e do melhor, como ele vai opinar sobre quem nunca teve nada?”, questiona.

Um dia, Pato queria falar sobre amor. Decidiu então pintar, num muro que fica embaixo de um viaduto que liga a Avenida Brasil e a Linha Vermelha, duas das principais vias expressas do Rio, um casal de idosos rindo e se abraçando, de olhos fechados. Havia encontrado a foto na internet. “O pessoal passa por aqui às 4h para ir trabalhar. E pensei que muitas vezes a gente está chateado, com o patrão te esculachando na empresa, e você sem moral, desanimado, mas sem poder largar o trabalho porque tem que colocar comida em casa”, explica. “Então pensei em falar de amor para essas pessoas, acho que essa imagem pode mudar o dia delas”, acrescenta. Enquanto fala com a reportagem sobre a pintura, uma senhora passa em frente a ela segurando um carrinho de compras. Para em frente ao grafite e começa a falar e gesticular, como se estivesse conversando com as pessoas ali representadas. As pessoas se identificam muito. Às vezes estou pintando e param para conversar, chorar… Muitas se sentem representadas, principalmente os mais velhos, porque é um povo que já lutou muito. Também porque a maioria dos meus retratos são de pessoas mais velhas”, explica.

Pato, como todo artista de rua, pinta onde houver um muro ou uma parede disponíveis. Contudo, seu trabalho pode ser mais apreciado em bairros das periferias como Ramos – onde ele nasceu e cresceu–, Penha, Bonsucesso, Complexo do Alemão, Maré… Ele também pinta quadros com a mesma temática, o povo nordestino, para vender e tirar seu sustento, já que mora de aluguel com a sua esposa. Mas a rua continua sendo seu espaço preferido de trabalho, onde se sente mais à vontade. Colorindo as maltratadas paredes da periferia e transformando-as em um museu a céu aberto, busca oferecer arte para aqueles que nunca tiveram acesso a ela e que possam se sentir representados por seus grafites.

As origens de Pato são parecidas com as de seus personagens. Um avô seu é nordestino, o outro é indígena e sua avó é mineira. Tiravam seu sustento como feirantes ou lavando e passando roupa. Já Pato nasceu no Rio mesmo e começou a desenhar desde cedo. Seu primeiro contato com a cultura urbana ocorreu quando tinha 14 anos. Começou fazendo pichações pela cidade. “A gente novo, adolescente, quer espalhar nosso nome pela cidade”. Em 2010, conheceu o grafite e desde 2013 vem pintando direto. Primeiro com spray, agora com tinta de parede. “Para mim, o grafite é só um pouco mais caprichado que a pichação. Há pessoas que acham o contrário. Mas a intenção dos dois é a mesma: são os jovens querendo se expressar”, argumenta. “Sei que é complicado, às vezes o cara pinta a casa, gasta uma grana, e vem alguém e picha. Mas isso é um reflexo do que acontece no Rio e no Brasil, das oportunidades que não dão para a gente. A galera quer colocar para fora o que está engasgado. A pessoa que está pichando está colocando algum sentimento ali. Tem que ter respeito”, acrescenta. Sua inspiração é justamente “a galera que está na rua pintando comigo”, mas entre os mais conhecidos cita Os Gêmeos e o espanhol Aryz.

Pato chegou a trabalhar em uma loja de tintas para poder comprar seu material a um preço melhor. Fazia grafites de cartoons quando, em 2015, começou a mudar, a encontrar uma linha de trabalho, uma inspiração: as pessoas ao seu redor. “Foi o momento que eu despertei. Pensei ‘caramba, por que eu estava fazendo isso esse tempo todo e não estava falando disso? Onde minha cabeça estava? Eu deveria estar dormindo. As pessoas precisam ver essas historias'”. Já perdeu a conta de quantos muros já pintou, mas diz tentar finalizar no mínimo um por semana. Por ora, pretende não só seguir com esse trabalho como também levá-los para as ruas de outras cidades. Também espera ser chamado para cursar pintura neste segundo semestre na Escola de Belas Artes, da UFRJ, para aprender e trocar experiências. Diz que “adoraria ter reconhecimento” para poder se manter com as pinturas que faz na rua, “mas sem abrir mão da mensagem” que passa. “Com a arte, com a pintura, a gente consegue do nada tirar alguma coisa pra passar para os outros. Isso é amor, irmão. É amor ao próximo”.

Fonte: El País

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »