Bisavó ciclista percorre mais de 16 mil quilômetros e não quer parar por aí

00b047uxgrr9k9nafu48gdhgz
Visualizado 412 vezes

“Gosto de fazer o que eu mais gosto sem ter de esperar ninguém ficar pronto”, diz a professora de francês aposentada de 78 anos.

Que tal sair pedalando por aí e conhecer diversas cidades? Cansou só de pensar ou acha que não tem preparo físico para isso? Pois conheça essa simpática bisavó que há percorreu mais de 16 mil quilômetros de bicicleta pelos Estados Unidos e Europa.

Ethel MacDonald tem 78 anos e é professora de francês aposentada. Ela começou a aventura de pedalar por aí em 2003 e não pretende parar tão cedo. “Gosto de fazer o que eu mais gosto sem ter de esperar ninguém ficar pronto”, diz a bisavó em entrevista ao site da emissora norte-americana “CNN”.

E ela faz suas viagens de bike sozinha. “Gosto do sentimento de ser a minha própria ‘chefe'”, afirma Ethel.

A senhora começou a pedalar pela costa francesa, em 2003. Depois disso, ela já passou por cidades da Espanha, Alemanha, Suécia, Irlanda e Bélgica.  Atualmente, ela está explorando mais uma vez a Irlanda e usa como transporte uma bicicleta cor de rosa que chama a atenção por onde passa.

“Geralmente as minhas viagens têm em torno de 1 mil milhas (aproximadamente 1,6 mil quilômetros) e duram de três a quatro semanas. Tenho feito isso há 13 anos e costumo completar uma ou duas viagens por ano”, detalha Ethel.

165 casas

Durante as aventuras, Ethel conta que usa aplicativos para procurar lugares para se hospedar. Ela diz que há alguns destinos a ciclistas, no qual as pessoas oferecem suas casas para os viajantes. Até meados de 2016 ela estima já ter se hospedado em 165 casas diferentes.

“Isso ajuda a economizar pilhas de dinheiro. Mas, mais importante do que isso, é o contato com as pessoas que você conhece, a inspiração que recebe delas, a troca de experiências, as lembranças”, comenta a professora aposentada.

Ela também costuma receber visitantes em sua casa, em Missoula, Montana, nos Estados Unidos. Já hospedou em torno de 200 pessoas. “Sempre providencio uma refeição para eles e deixo que lavem suas roupas. Quero que eles se sintam em casa”, afirma.

Ela também diz manter contato com visitantes e anfitriões pelas redes sociais e sempre tira fotos com que a recebeu em casa.

Ethel começou a andar de bicicleta em 1979. Após o divórcio, a magrela virou o meio de transporte dela. A senhora ainda encoraja quem quiser também se aventurar de bike: “Recebi hóspedes que estavam em sua primeira viagem de bicicleta e que atravessaram os Estados Unidos. Se quiser, apena vá”.

Ethel não para. No começo deste ano, ela passou oito dias em Mindoro, nas Filipinas, e pedalou mais de 500 quilômetros. “Acho que não conseguirei fazer muito mais disso depois dos 80, mas ainda tenho alguns anos. Penso em percorrer menos quilômetros e aproveitar mais as paisagens”, diz a senhora que tem três filhos, um neto e dois bisnetos.

Próximo destino da bisavó? “Realmente gostaria de ir para Cuba”.

Fonte: IG

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »