Parque do Ibirapuera é o melhor do mundo, segundo o The Guardian

images-cms-image-000451261
Visualizado 1.771 vezes

Segundo o ‘Guardian’, área verde na metrópole é mais que essencial.
Texto ressalta os trabalhos de Burle Marx e Niemeyer

Segundo o jornal The Guardian, o melhor parque em todo o mundo, o parque do Ibirapuera, de São Paulo, fica na frente dos parques Buttes-Chaumont, em Paris, e Boboli, em Florença, no ranking que não coloca o Central Park entre os dez melhores – mas sim outro parque criado pelos mesmos arquitetos responsáveis; ele foi criado por Roberto Burle Marx, arquiteto que combinou os movimentos cubistas e surrealistas com o conhecimento em botânica brasileira em mais de 2 milhões de metros quadrados; Oscar Niemeyer também colaborou na construção e design do parque – tal como a Bienal desenhada pelo arquiteto

ibiraSÃO PAULO – Apesar de o Central Park ser o primeiro parque a vir à cabeça, ele não é o melhor do mundo. Quem tem a sorte de contar com esse parque são os paulistas, com o Parque do Ibirapuera – segundo o jornal The Guardian, o melhor parque em todo o mundo.

O “Ibira” fica na frente dos parques Buttes-Chaumont, em Paris, e Boboli, em Florença, no ranking que não coloca o Central Park entre os dez melhores – mas sim outro parque criado pelos mesmos arquitetos responsáveis.

Confira quais são os melhores parques do mundo:

Parque do Ibirapuera – São Paulo, 1954

O parque mais tradicional de São Paulo ocupa a primeira posição do ranking, como o melhor parque do mundo. Ele foi criado por Roberto Burle Marx, arquiteto que combinou os movimentos cubistas e surrealistas com o conhecimento em botânica brasileira em mais de 2 milhões de metros quadrados.

Oscar Niemeyer também colaborou na construção e design do parque – tal como a Bienal desenhada pelo arquiteto.

Buttes-Chaumont – Paris,França, 1867

Com 250 metros quadrados de extensão, o Buttes-Chaumont foi formado a partir de antigas pedreiras pelo engenheiro Adolphe Alphand sob a direção do Barão Haussmann. O parque é o “alter ego” dos bulevares famosos em linha reta que o Barão costumava pedir.

O escritor francês Louis Aragon considerava o parque “absurdo e sedutor”, “um tubo de ensaio da química humana” e foi a inspiração para muitas de suas obras.

Boboli – Florença, Itália, século XVI

É um dos melhores lugares para ter uma vista completa de Florença, com um teatro central simétrico, bosques sombrios e a caverna Grotta Grande, que possui diversas estátuas e esculturas. O parque é um retrato da renascença italiana.

High Line – Nova York, Estados Unidos, 2009

O “parque no ar” recebe milhares de visitantes por dia e é um dos mais famosos do país. Originalmente, ele era um viaduto rodoviário e depois o designer mundialmente famoso Piet Oudolf, que desenvolveu o jardim do local – plantas auto semeadas começaram a nascer e Piet desenhou o jardim a partir delas.

Ele foi o primeiro “high line” do mundo. Existe um projeto para a construção de um similar em São Paulo, no Minhocão.

Landschaftspark – Duisburg-Nord, Alemanha, 1989-99

Antes de ter o High Line, o arquiteto Peter Latz criou outro parque fora da indústria abandonada, em uma escala muito maior. O conjunto de minas de aço e de carvão foi popularizado com arte, cultura e locais de trabalho.

Estabelecimentos de shows e paredes de escaladas foram formados com as molduras de metal de fábricas antigas, cascos de alto forno e escombreiras.

Hampstead Heath – Londres, Inglaterra

Em meio a uma das maiores metrópoles do mundo, o parque traz a natureza em sua forma mais rústica. Tal como o Boboli, ele é conhecido também pela vista que oferece da cidade – e inspirou artistas como Constable, Keats e o magnata norte-americano Charles Tyson Yerkes, que se inspirou no parque para construir boa parte do atual metrô londrino.

Park Güell – Barcelona, Espanha, 1900-1914

Antes, o parque era parte de uma especulação imobiliária, o centro de um jardim do subúrbio de um conjunto de vilas. Segundo o biógrafo Gijs van Hensbergen, era “uma amostra de viver em uma nação catalã e religiosidade católica”.

Summer Palace – Pequim, China, século XVIII

Boa parte do parque foi destruído durante a segunda Guerra do Ópio no país, tal como o Old Summer Palace. Com a sua restauração, entretanto, o parque se tornou um conjunto de lagos, jardins e parques criados para a família Imperial.

Ele foi desenhado como um refúgio do calor da cidade – por isso algumas de suas melhores características são os aparelhos para criar ventilação e sombra.

Olmsted Parks – Buffalo, Estados Unidos, 1868-96

Os criadores, Frederick Law Olmsted e Calvert Vaux, são os mesmos responsáveis pelo famoso Central Park, em Nova York – embora esse seja o trabalho mais conhecido, o melhor é o sistema coordenado de parques. A ideia foi criar uma rede que unisse o espaço verde com a estrutura de uma cidade.

Birkenhead Park – Merseyside, Inglaterra, 1847

Foi o primeiro parque público fundado no Reino Unido. O local é tão relevante que serviu de inspiração para o Central Park e a rede de Buffalo.

Ele foi criado por Joseph Paxton, que montou o parque com prédios como a casa de barcos em arquitetura italiana e uma “ponte suíça”, que se distribui entre lagos curvilíneos e caminhos sinuosos.

Fonte: http://www.brasil247.com/

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Seja o primeiro a comentar Assunto: "Parque do Ibirapuera é o melhor do mundo, segundo o The Guardian"

Deixe um comentário

Translate »