• 5 de dezembro de 2021 19:59

Seja por modismo, filosofia de vida ou garantia de qualidade, a verdade é que a cada dia nasce um novo jardim urbano em algum lugar do mundo.

Se no início a “onda” era ter um pequenino cultivo de ervas em casa, agora o passo é maior e muitos chefs de cozinha estão investindo em hortas próprias para abastecer seus restaurantes. Alem de não depender de fornecedores, o cultivo próprio garante a isenção de agrotóxicos em seus pratos e permite que sejam oferecidos aos clientes produtos da época, sempre mais bonitos e saborosos. Como espaço extra está difícil, a solução foi levar os jardins e hortas para o telhado.

Embora pareça fácil plantar e colher, quando o assunto é um restaurante a história deixa de ser tão simples. Afinal, na hora do plantio, deve-se escolher produtos que tenham um menor tempo de crescimento para que estes estejam sempre disponíveis. Além disso, é necessária a contratação de pessoas especializadas em jardinagem, já que muitas vezes o local de plantio recebe muito sol e fica à mercê do tempo.

O maior exemplo atual de jardim vertical para usos comerciais é uma grande horta urbana que foi montada em Nova Iorque e é mantida por um com uma produção alcançada nos 1,4 mil metros quadrados do teto do Centro de Ciências e Tecnologia Alexandria, em Manhattan. O estabelecimento, chamado de Riverpark, mantém cerca de seis mil plantas no espaço e oferece em seu cardápio pratos sazonais de acordo com a oferta de alimentos disponíveis na “lavoura” urbana. Entre as culturas estão alface, rúcula, couve, chicória, manjericão, cebolinha, coentro, tomilho, rabanete, beterraba, vagem, berinjela, cenouras, pimentas, tomates e frutas.

Tudo é feito em caixas plásticas e pode ser transportado e adaptado com facilidade. Os cozinheiros do restaurante visitam todos os dias a plantação para conversar com os funcionários do lugar, definir quais as melhores formas de cultivo e saber o que eles vão ter para trabalhar nos pratos que serão servidos aos fregueses. O lixo orgânico produzido pelo restaurante e que seria desperdiçado é utilizado em compostagem que vira adubo e fertilizante natural para as plantas.

Joan Roca, o Chef do restaurante número 1 do mundo – o El Celler de Can Roca – há muitos anos têm sua própria horta. Não só no restaurante, como em sua própria casa. Já em São Paulo, o Chef Eric Thomas mantém a Rede Tantra,  o ECO HOUSE, restaurante e casa de eventos. Neste último investiu em um terraço com horta onde colhe suas folhas verdes e temperos e serve também como espaço de visitação aos clientes. Imagina que legal visitar a horta de onde saem os produtos que você vai comer! O renomado Chef inglês Jaime Olivertambém é apaixonado por sua horta. Com o tempo, seu cultivo cresceu e exige cuidados diários de três pessoas, fornecendo para boa parte de sua rede de restaurantes.

Jaime prefere um estilo de horta mais selvagem e com ingredientes menos padronizados.

Além de restaurantes, muitas empresas também investem em jardins verticais. Mantêm a temperatura do prédio mais baixa, a plantação ajuda na hora de vender a imagem da empresa e contribui com o meio ambiente. Um exemplo é a rede de supermercados Zona Sul, que acaba de inaugurar uma loja em Copacabana com a fachada “forrada” por um jardim vertical.

Para você que não é chef e tem poucos conhecimentos de jardinagem, deixamos um vídeo ensinando a criar suas plantas em qualquer pequeno espaço que tenha em casa

por  Dianna Macedo, da Doce Predileto.

 

Deixe um comentário