Curativo de plasma poderá substituir antibióticos para tratar feridas

Curativo de plasma poderá substituir antibióticos para tratar feridas
Avalie este conteúdo

Material possui propriedades que matam bactérias e aceleram o processo de cicatrização de feridas graves e crônicas.

Um curativo altamente tecnológico à base de plasma promete ser a solução para a cicatrização de feridas graves e persistentes, que afetam milhões de pessoas todos os anos. O produto, desenvolvido pela empresa alemã Coldplasmatech, usa as propriedades do plasma – não o sangue, mas o quarto estado da matéria, depois de sólidos, líquidos e gases – para matar bactérias resistentes a drogas e promover a melhora de feridas crônicas, geralmente causadas por doenças como o diabetes, que podem levar meses para cicatrizar.

Funcionamento do plasma

Conhecido na física e na química como o quarto estado da matéria, o plasma é semelhante a um gás ionizado, pois possui uma carga que lhe confere propriedades únicas como a habilidade de carregar correntes elétricas e gerar campos magnéticos. Do ponto de vista médico, essa propriedade é capaz de destruir bactéria.

“[O material] é chamado plasma frio, que é o mesmo plasma existente na superfície do sol ou no raio. Mas também é frio e tolerável pelos tecidos, por isso podemos usar sua bioatividade”, disse Carsten Mahrenholz, criador do curativo.

Segundo Mahrenholz, o funcionamento do curativo é baseado no gás bioativo presente no plasma, que afeta tanto patógenos – como bactérias e fungos – quanto as células do corpo. Desta forma, durante o processo de cura, as células bacterianas, incluindo as das super resistentes, são mortas em segundos após serem expostas ao plasma frio. O processo de cura é acelerado pois o plasma aumenta a divisão celular, ajudando na formação de vasos sanguíneos e estímulo do sistema imunológico. A partir daí, é iniciado o processo de recuperação.

Como funciona

De acordo com a empresa, o curativo transfere plasma frio para a ferida de forma segura, simples e rápida. Um curativo adesivo conectado a um dispositivo chamado Cubo de Plasma é colocado sobre a ferida. O “tratamento” funciona acionando o cubo, que transfere, durante  três a cinco minutos, o gás para a ferida, através do curativo. Após a aplicação, o curativo deve ser retirado e a ferida coberta. O procedimento deve ser repetido de duas a três vezes por semana, até o fechamento da ferida.

Teste em queimaduras

Uma das primeiras tentativas bem sucedidas do uso dos curativos de plasma ocorreu no tratamento de uma jovem com queimaduras graves. Assim que o curativo foi aplicado, as bactérias nas feridas foram mortas, o que salvou a vida da paciente. “Temos um curativo que é colocado na ferida e, em seguida, um botão é pressionado e é isso. Em dois minutos está pronto. Quando ele é retirado, todas as bactérias ou fungos da ferida foram mortos. Depois de alguns tratamentos repetidos, as feridas começam a cicatrizar”, explicou Mahrenholz ao site especializado Medical Xpress.

Fonte: Veja

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »