Professora muda aluno bagunceiro com “abraço”

professora_abraco
Visualizado 1.663 vezes

Sabemos do poder que um abraço tem, e essa professor no Rio resolveu usá-lo para mudar o comportamento de alunos.

A professora Carolina Barra, postou um lindo relato no Facebook sobre o poder transformador do que ela chama de “pedagogia do abraço”. Em vez de bronca, um abraço afetuoso.

Ela contou a experiência que teve com um dos seus alunos de 4 anos de idade da educação infantil que era extremamente bagunceiro na sala de aula e não deixava os outros coleguinhas realizarem as atividades.

Carolina escreveu na rede social que esse aluno não se comportava muito bem e que resolveu tentar esse novo método de ensino baseado no abraço.

“Estava fazendo bagunça com os blocos, enquanto eu chamava um grupo de cada vezes para fazer a atividade. Chamei ele quando vi a bagunça e ele demorou até vir onde eu estava, com medo de levar bronca, apesar da minha voz estar calma. Quando ele chegou eu não disse nada, apenas o abracei.

Ele ficou sem entender nada, parado na minha frente, como se esperasse por mais. Falei que ele podia ir e aí ele decidiu sentar ao meu lado pra fazer a atividade ainda sem entender direito o que tinha acontecido. Ao final daquela aula ele fez questão de me dar um abraço de despedida”, relatou.

Um gesto de amor solucionou um problema que deixa muitos educadores com os nervos à flor da pele, partindo para a solução mais “fácil”: gritar com o aluno. Educar de forma carinhosa mostrou ser a melhor alternativa. A educação, no sentido amplo da palavra, não é uma obrigação apenas dos pais da criança, mas de toda a sociedade. Pare pra pensar: o aluno passa mais horas na escola do que no convívio com os seus familiares. A escola não pode se isentar da formação dessa criança sob o argumento de que a “educação vem de casa”. Isso não faz o menor sentido.

O aluno virou um dos ajudantes da professora. “Hoje mesmo eu o ouvi falando para todo mundo sentar na roda quando eu pedi. Antigamente, nesse momento, ele era um dos primeiros a fazer bagunça no chão e agora ele é um dos primeiros a pedir que os outros sentem também”, comemora Carolina.

O relato sobre a transformação do menino viralizou na internet e, com menos de uma semana no ar, teve mais de 9 mil curtidas e 11 mil compartilhamentos.

Leia na íntegra:

“Há exatamente 19 dias eu postei aqui no face sobre um aluno de 4 anos que não sabia respeitar. E eu disse também que estava começando um novo método: a pedagogia do abraço. Para quem não leu, a minha metodologia seria: a cada vez que ele fizesse algo que não devia, eu daria um abraço nele. Já tem 18 dias que eu comecei e estou aqui para postar os resultados.

A primeira vez que eu fiz isso foi logo no dia seguinte do post. Ele estava fazendo bagunça com os blocos, enquanto eu chamava um grupo de cada vez para fazer a atividade. Chamei ele quando vi a bagunça e ele demorou até ir onde eu estava, com medo de levar bronca, apesar da minha voz estar calma. Quando ele chegou eu não disse nada, apenas o abracei. Ele ficou sem entender nada, parado na minha frente, como se esperasse por mais. Falei que ele podia ir e aí ele decidiu sentar ao meu lado pra fazer a atividade ainda sem entender direito o que tinha acontecido. Ao final daquela aula ele fez questão de me dar um abraço de despedida. Até a professora da sala reparou.

Pedagogia do abraço

A partir desse dia ele foi mudando aos poucos e tem se comportado absurdamente melhor em todas as minhas aulas.

Na turma dele vários alunos querem ser meus ajudantes e ele é um dos que começou a me pedir todo dia e eu sempre digo que sim. Hoje mesmo eu ouvi ele falando para todo mundo sentar na roda quando eu pedi. Antigamente, nesse momento, ele era um dos primeiros a fazer bagunça no chão e agora ele é um dos primeiros a pedir que os outros sentem também.

Quando sentamos na roda hoje ele veio ficar abraçado comigo, no meu colo. Um gesto tão carinhoso que a professora até tirou foto, impressionada com a sua atitude.

Fonte: Catraca Livre

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »