Médicos receitam doses de natureza a pacientes no sistema público de saúde escocês

Viver próximo à natureza, ou ao menos se permitir pequenas viagens longe da salva de pedra, não faz bem apenas à saúde mental, como física também.


Se alimentar bem e fazer exercícios não garantem uma vida sem estresse, mas quanto mais tempo você passar em meio à natureza, menos estressado ficará. Na Escócia, médicos do sistema público de saúde criaram o programa Nature Prescriptions, que incentiva passeios na natureza como parte da reabilitação de pacientes.

A inciativa está sendo feita em parceria com a organização de proteção aos pássaros Royal Society for Protection of Birds (RSPB), que vem oferecendo atividades sazonais aos moradores do arquipélago de Shetland. A ideia é sugerir diversas opções, respeitando o estado de saúde dos pacientes, assim como as condiçòes climáticas.

Segundo Chloe Evans – do centro de saúde onde foi realizado o programa piloto: “O projeto fornece uma maneira estruturada para os pacientes acessarem a natureza como parte de uma abordagem não-medicamentosa para problemas de saúde. Os benefícios são que eles são gratuitos, de fácil acesso, permitem uma conexão maior com o entorno, que, esperamos, conduza à uma melhora na saúde física e mental dos indivíduos”.

A ideia não é substituir a medicina tradicional, tampouco os remédios – quando necessários. No entanto, os profissionais que criaram o programa partem de evidências de que pessoas com conexão mais forte com a natureza experimentam maior satisfação com a vida, afeto positivo e vitalidade.

Natureza e Saúde Mental

Cada vez mais estudos científicos vêm comprovando a ligação entre contato com a natureza e redução da pressão arterial, ansiedade e aumento da sensação de felicidade. Quando vivemos em cidades grandes estamos expostos a inúmeros estímulos, o que contribui para o aumento do estresse, distúrbios do sono e ansiedade.

Se a sociedade moderna nos ensinou a produzir o tempo todo, estamos começando a perceber a importância de desacelerar. Pesquisas mostram que, em comparação com pessoas que caminham em ambientes urbanos, aquelas que realizam a mesma atividade em áreas verdes apresentam diminuição da atividade neural em áreas do cérebro relacionadas à um maior risco de transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão. Na dúvida, corra para o meio do mato!

Fonte: Hypeness

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »