Lei em Florianópolis proíbe cachorros de ficarem presos ou acorrentados

Lei em Florianópolis proíbe cachorros de ficarem presos ou acorrentados
4 (80%) 1 vote

Os tutores devem pelo menos intercalar momentos em que o animal fica preso e solto.

A Direção de Bem-Estar Animal (Dibea), órgão da Prefeitura de Florianópolis, está com o alerta ligado para as pessoas que que mantém seus cachorros presos ou acorrentados quase que o tempo todo.

Está em vigor uma lei municipal, de autoria da vereadora Maria da Graça Dutra, que torna mais rígida a definição do que são maus tratos.

Em última hipótese, os tutores devem intercalar momentos em que os cachorros ficam presos e soltos.

“O animal não pode viver 24 horas acorrentado. Precisa ficar solto na propriedade e eventualmente ser preso, coloca no canil se chega uma visita, prende à noite”, disse Fabrícia Costa, diretora do Dibea.

A instituição orientou as pessoas a fazerem denúncias anônimas para a fiscalização ser bem-sucedida. Basta fazer um boletim de ocorrência em qualquer delegacia ou na internet. Depois, é só levar o BO para a Dibea, de preferência com fotos ou vídeos que comprovam a situação de maus tratos.

Todo mês, a Dibea recebe cerca de 40 denúncias e todas são verificadas.

“As pessoas acham que é normal ter o animal na corrente. Adotam um cachorro, filhotinho, já vem na corrente e passa o resto da vida ali. E resta dizer que a vida dele é diminuída em metade pelas condições que ele passa”, acrescenta Fabrícia.

Fonte: RPA

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »