Projeto brasileiro leva experimentos de crianças para fora do planeta

Projeto brasileiro leva experimentos de crianças para fora do planeta
Avalie este conteúdo

Um grupo de pesquisadores da Escola de Engenharia da USP São Carlos percebeu, ainda em 2014, a necessidade de criar novos meios de pôr em prática experimentos de baixo custo em engenharia espacial. Foram pelo menos dois anos de trabalhos até que, em 2016, subia aos céus a Garatéa I, uma sonda acoplada a um balão meteorológico que chega até a estratosfera.

Menos de um ano depois, foi a vez da Garatéa II, que levou uma série de experimentos científicos a uma altitude de 30 km. “Pesquisar a estratosfera é muito interessante pois simula as condições espaciais, com o clima severo, muita incidência de radiação”, conta Danilo Oliveira, diretor do Zenith Aeroespace, empresa sem fins lucrativos ligada à Universidade de São Paulo e um dos participantes do projeto Garatéa.

Os dois lançamentos tiveram um objetivo bem específico. Agora a missão do grupo é mais ambiciosa: testar os equipamentos para a Garatéa-L, que deve orbitar a Lua em 2020 e será a primeira iniciativa de exploração lunar lançada por um país da América do Sul. A ideia é fazer o primeiro experimento com microbiologia em nosso satélite natural desde as missões Apollo, na década de 1970.

O sucesso das missões I e II também animou os pesquisadores a expandirem o projeto para alunos que nem chegaram ainda à faculdade. Nascia assim a Garatéa-E, de educacional, que leva para longe da superfície da Terra experimentos de futuros cientistas. “Um dos propósitos do grupo é a divulgação da ciência, fomentar a inspiração das pessoas para essa área”, afirma Oliveira à GALILEU. “Nada mais interessante que trabalhar com as crianças essa curiosidade de entender mais sobre o espaço e todos os fenômenos.”

A primeira edição do Garatéa-E aconteceu em 2017 com a participação de 18 escolas de todo o país. “A reação das crianças é a melhor parte. Elas lançam os experimentos que começaram a construir lá na escola delas. Vêm para cá [São Carlos], colocam na sonda, conseguem ver o negócio subindo”, lembra Oliveira. “As crianças ficam maravilhadas. É uma conquista do grupo conseguir passar para elas essa vontade de entender o porquê das coisas.”

Apoio
Diante dos resultados positivos, nada mais lógico que repetir a dose esse ano. Com lançamento previsto para o dia 1º de agosto, o Garatéa-E 2018 já conta com 83 escolas inscritas. Dessas, 32 terão seus projetos selecionados para serem mandados para a estratosfera. A maioria consiste em enviar bactérias, fungos e sementes de plantas germinando, para ver como se comportam em condições adversas.

“A gente queria ampliar o projeto para quase 2 mil alunos, então decidimos lançar uma campanha de financiamento coletivo para melhorar o evento. Trazer palestrantes mais legais, proporcionar workshops mais interessantes”, diz Oliveira. A meta da campanha, que vai até o dia 19 de junho, é arrecadar R$ 10 mil. “É um projeto bastante custoso. Não só o evento, como a construção da própria sonda.”

As recompensas para quem colaborar com o projeto vão desde constar na lista de agradecimentos nas redes sociais até a chance de levar sonda e balão meteorológico para casa de lembrança. No segundo caso, porém, a doação deve ser de R$ 10 mil. Clique no link para saber mais e ajudar a formar jovens cientistas.

Fonte: Revista Galileu

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »