Refugiado abre restaurantes em São Paulo e fatura R$ 1 milhão

Refugiado abre restaurantes em São Paulo e fatura R$ 1 milhão
5 (100%) 1 vote

Eyad Abou Harb fugiu da guerra na Síria e abriu negócio de sucesso no Brasil.

Para Eyad Abou Harb, 24, o seu restaurante New Shawarma é uma grande conquista. Nascido na Síria, o chef de cozinha teve que deixar o país de origem e a família para conseguir fugir da guerra, em 2011, e veio morar no Brasil. Com o shawarma, lanche típico do Oriente Médio, o empreendedor faturou R$ 1 milhão em 2017.

Assim que fugiu da Síria, Eyad passou pela Jordânia e pelo Líbano, lugares em que trabalhou no setor gastronômico. No final de 2013, ele soube que o Brasil estava aceitando refugiados e decidiu se mudar. “Comecei a pensar em como faria para viver no Brasil, um país que eu não conhecia ninguém e não sabia falar a língua”.

Chegando ao Brasil, ele foi levado para o Brás e entrou em contato com a comunidade árabe. Eyad logo conseguiu emprego em um restaurante árabe, onde trabalhou por um ano, até juntar algum dinheiro. Neste período, morou com uma família brasileira que o ajudou a aprender português.

Após um ano e meio trabalhando e juntando dinheiro, Eyad decidiu que era a hora de abrir o seu próprio restaurante. Ele conseguiu comprar o espeto para preparar o shawarma mas não tinha dinheiro para o resto da mercadoria, então comprou 80 kg de frango fiado na esperança de poder pagar a dívida em breve.

O empreendedor publicou no Facebook sobre a inauguração do negócio e que o shawarma seria de graça no primeiro dia. “Eu fiz a inauguração de graça para que a pessoa possa experimentar a comida sem ter que gastar os R$ 10 reais que estão no bolso”, diz Eyad. “Caso ela goste, ela pode voltar para comer novamente e pagar”.

O sírio diz que a tática deu certo, já que muitas pessoas acabaram voltando e levando os amigos para consumir. “Os clientes começaram a divulgar boca a boca e o meu restaurante ficou super famoso”.

O sucesso do restaurante fez com o Eyad decidisse abrir uma outra unidade em São Paulo, desta vez no bairro da Penha, no final de 2017. “A segunda unidade está tendo um movimento ainda maior do que a primeira”.

Atualmente, são vendidas cerca de 200 unidades de shawarma por dia nos dois restaurantes pelo preço de R$ 10.

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »