Quando a Copa parou a guerra civil e Drogba marcou um golaço pela paz na Costa do Marfim

Quando a Copa parou a guerra civil e Drogba marcou um golaço pela paz na Costa do Marfim
3 (60%) 2 votes

Durante anos, a Costa do Marfim ficou dividida com a região norte, empobrecida, controlada por rebeldes e a região sul, mais rica, controlada pelo governo central.

Ao longo dos quase 90 anos de existência da Copa do Mundo, apenas duas edições não foram realizadas respeitando o intervalo de quatro anos entre cada competição: 1942 e 1946. Nessas ocasiões, a Segunda Guerra Mundial inviabilizou qualquer possibilidade de realizar o torneio já que o planeta estava mais preocupado em combater o nazismo do que disputar uma competição de futebol.

Quando falamos assim, prevalece um sentimento ruim de que a guerra sempre pode vencer o futebol. Mas hoje, às vésperas da 22ª edição do mundial, vamos falar justamente de uma das ocasiões em que o futebol foi capaz de parar a guerra.

O dia é 8 de outubro de 2005. O país é a Costa do Marfim. O herói é Didier Drogba.

Drogba, o atacante

Nascido em Abidjan, capital do país, o atacante Didier Drogba se mudou muito novo para a França, aos cinco anos. Lá, ele cresceu, se preparou, amadureceu e se tornou um dos melhores jogadores de futebol do mundo que, no auge, foi capaz de liderar o Chelsea a um inédito título da Champions League, o torneio de clubes mais importante do mundo, depois de bater potências como Barcelona e Bayern de Munique.

Drogba, porém, nunca se esqueceu das suas origens. E apesar de ninguém duvidar de que ele teria espaço em qualquer seleção do mundo se resolvesse se naturalizar, quando foi campeão europeu em 2012 há muito já tinha protagonizado o episódio mais marcante de sua carreira com a camisa do país onde nasceu e sempre defendeu.

A Costa do Marfim vivia em guerra há três anos. Ainda em 2002, os rebeldes conhecidos como Forces Nouvelles (“Forças Novas”) ocuparam progressivamente a metade norte do país, dividindo-o em duas partes: a norte, controlado por eles; e a sul, controlada pelas Forças Armadas Nacionais.

Em meio ao conflito, a população sofria. Milhares morreram, inúmeras violações dos direitos humanos foram relatadas e por várias vezes intervenções estrangeiras foram cogitadas e algumas até realizadas, sempre sem sucesso. Até que o futebol revelou sua força.

Além de Drogba, o país contava com a sua geração mais talentosa. Uma série de outros jogadores também tinham espaço em vários clubes europeus e juntos formavam um time que brigava de igual para igual com seleções muito mais tradicionais da África, até que em 8 de outubro de 2005, o que todos esperavam finalmente aconteceu: a vitória sobre o Sudão por 3 a 1 rendeu a primeira classificação da história da Costa do Marfim para uma Copa do Mundo.

Drogba, o defensor

O país, tão mal tratado durante anos, esqueceu por um momento o terror que vivera e parou para comemorar. No auge da euforia, porém, Drogba fez questão de lembrar. E, emocionado, ainda no acanhado vestiário na cidade de Omdurman, no Sudão, fez um discurso televisionado para toda a Costa do Marfim que mais parecia um apelo já que, de joelhos, acompanhado de seus companheiros, ele falou.

Depois disso, Drogba consolidou-se como um representante da paz no país. Ele reuniu-se com autoridades políticas dos dois lados do conflito, desenvolveu sua própria fundação beneficente, levantou verba para a construção de escola e hospitais, fez doações milionária para outras instituições de caridade, emprestou sua imagem para campanhas contra a pobreza de modo que, em 2007, teve seu papel reconhecido e virou embaixador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Anos mais tarde, para o site da Fifa, Drogba declarou: “Acredito que o que vivemos em 2005 foi um momento decisivo, um momento histórico. Não dava para evitar de ser levado pelo fluxo dos acontecimentos, e foi o amor pelo país e a paixão do país pelo futebol que nos fizeram lançar aquela mensagem. E acredito que, por causa dela, conseguimos evitar uma tragédia.”

Dessa forma, Didier Yves Drogba Tébily deixou de ser apenas um jogador de futebol e virou o símbolo máximo de um povo que só queria ter paz. E conseguiu.

Fonte: Hypeness

Se você quer receber atualizações sobre este tema ou outros de nossa página, inscreva-se abaixo:
Receba boas notícias em seu Email


Translate »